O Dia Mundial do Fusca carrega décadas de história

Se existe um carro que merece um dia só pra ele, sem dúvida é o Fusca. No dia 22 de Junho se comemora o Dia Mundial do Fusca. A Itaro mostra um pouco da história do carro mais famoso do Brasil.

 

Com o início de sua fabricação no Brasil em 1959, o Fusca já era produzido em série desde 1938 na Alemanha. Por aqui, a linha de montagem da Volkswagen produziu o besouro até 1986, quando a versão com lanternas grandes deu adeus às concessionárias e ao público. Retornou com visual praticamente inalterado em 1996, quando por incentivo do presidente da época, Itamar Franco, a Volkswagen retomou a fabricação com o intuito de ser o carro mais popular da época. Atualmente a versão Itamar é bastante valorizada pelos colecionadores, já que é o último Fusca fabricado no Brasil.

 

A data de 22 de Junho foi escolhida para comemorar o Dia Mundial do Fusca pelo motivo de ser exatamente a data em que foi assinado um contrato para dar início ao desenvolvimento do Fusca, lá atrás, no ano de 1934.

 

Foco dos colecionadores da atualidade, todas as versões do Fusca tem algo de especial. Seja pela carroceria mais rara, pelo estado de conservação ou por algum equipamento da época, tal como o teto solar, que acabou tornando a série um fracasso em vendas na época devido ao apelido “Cornowagen”, alusão ao espaço aberto no teto ser uma abertura para os chifres do motorista. Na época o apelido foi tão impactante, que alguns proprietários inseguros chegaram a mandar fechar o teto com solda, tornando esta versão ainda mais rara atualmente.

 

Desde a primeira unidade produzida no mundo, foram mais de 12 carrocerias diferentes e várias versões e configurações de acabamento. Hoje, dependendo da raridade, os valores cobrados por uma unidade em bom estado ultrapassam o valor de carros de luxo zero quilômetro.  

 

Para relembrar o modelo, a Volkswagen também trouxe ao Brasil em 1999 o NewBeetle. Compartilhando a plataforma e conjunto mecânico do Golf da época, o carro era uma versão moderna do Fusca, com design arredondado e para-lamas bem pronunciados, porém trazendo mais equipamentos e abandonando o posicionamento de carro popular. Atualmente, quem faz este papel é o Fusca, novamente, que agora traz ainda mais equipamentos e o moderno motor TSI 2.0 turbo, com 211 cavalos de potência.

 

É uma maneira de homenagear o saudoso Fusca e poder usar diariamente um carro carregado de história, muito embora as sensações de guiar um clássico sejam completamente diferentes de um carro moderno, com pouca sensibilidade e participação do motorista na condução.