Pressa leva pra onde?

Seja por gostar de velocidade ou por estar apressado, a pressa tem levado motoristas para um local que não desejavam, e já é o segundo maior fator responsável pelas mortes no trânsito no Brasil.

 

Dirigir em velocidade elevadas não é seguro, e disso todos sabem. A grande dificuldade é tornar os motoristas mais responsáveis em relação à velocidade de deslocamento, seja pelos apressadinhos que gostam de andar rápido, ou por aqueles que saem do ponto de partida atrasados e querem compensar no caminho. Por conta deles, não são poucos os flagras de veículos trafegando em velocidade acima da permitida pelas ruas, avenidas e rodovias.

 

Carros, motos, caminhões, independente de qual veículo seja, devem respeitar o limite de velocidade imposto pela lei, pois este limite está lá por algum motivo, e sem dúvida o principal é a sua segurança. A velocidade, além de aumentar o risco de uma batida, ainda aumenta a gravidade dos ferimentos, pois quanto mais rápido o veículo está no momento da colisão, mais graves são as consequências. A força do impacto de uma colisão aumenta em até 65%, entre uma batida a 70km/h ou a 90 km/h, por exemplo, potencializando o risco de ferimentos e traumas.

 

O choque entre dois carros já é algo muito grave, porém quando falamos em um choque entre carro e moto, ou entre carro e pedestre, a situação é ainda mais delicada, devido à falta de proteção ao redor do corpo. E é por conta desse impacto da velocidade sobre os efeitos dos acidentes, que as mortes causadas pelo excesso dela já são tão representativos no Brasil e em todo o mundo, e se não houver uma atitude em conjunto, esses efeitos só irão piorar.

 

Neste Maio Amarelo, queremos lembrar que frear só no radar não é uma atitude correta com você mesmo e com as outras pessoas, pois apesar de estar driblando a lei e evitando multas, você continua colocando em risco a sua e as outras vidas que estão ao seu redor.

 

Transformar os hábitos ao volante e passar a respeitar os limites de velocidade independentemente de quantos radares existam no caminho, passar a entender o trânsito como um conjunto no qual você é responsável pelas outras vidas que estão ali presentes, e que definitivamente, a pressa não irá te levar pra nenhum lugar melhor do que a prudência levaria. Respeitar o limite de velocidade é educação, responsabilidade e cidadania.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *